quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Bom dia Luiz Inácio!


Sabe Luiz, tal como você, também sou de origem humilde. Minha mãe lavou muita roupa e fez muito crochê para me criar. Depois, minhas irmãs cresceram e foram ser tecelãs numa indústria em Bauru ...
Estudamos em escola pública. Naquele tempo nem calçado tinha. Ganhava roupas usadas e me sentia uma rainha.
Com muito custo estudamos, Luiz Inácio!
Desde 5 anos eu já ajudava em casa para minhas irmãs trabalharem e minha mãe também. Com 12 anos comecei a trabalhar fora, como doméstica, depois metalúrgica, até que terminei meu colégio e ingressei numa Universidade Pública.
Luiz Inácio, nunca fiz cursinho, nunca fui incentivada, levantava às 4 e ia dormir uma da manhã; tomava vários ônibus.
Caminhava muito, comia pouco, vivia para os estudos e, engraçado, nunca perdi um ano, nunca perdi uma aula e, Graças a Deus, em 1983 me formei em Medicina. Me especializei, me casei e junto com meu marido luto para dar o melhor para as minhas filhas.
Hoje sou preceptora em uma Universidade, ganho tão pouco que é uma vergonha ser médico nesse país... depois que você quis brincar de presidente, as coisas pioraram ainda mais, mas o que se há de fazer.
Agora, vem cá: Você é pobre e não teve condição de estudar ? ? ?
Não me engana com esse rosário... mas não mesmo...
Sua mãe era analfabeta? Empatamos; a minha também, eu ensinei a ela conforme ia me alfabetizando até aparecer o Mobral - desculpinha esfarrapada essa sua heim???
Eu engoli você esses 8 anos, com suas gafes, seus roubos, (e como sei de coisas.... conheço o Palocci)... e sempre fiquei na minha, quieta porque é um direito seu....
Mas, hoje, ao ligar a televisão e ver você, hipocritamente, chamar a todos os brasileiros de burros e incompetentes, lamento.. Mas foi a gota d'água! ...
Não julgue os outros por você... não me compare a sua laia ... Sou apolítica, mas sou brasileira e em momento algum o senhor fez por merecer todo carinho que essa gente lhe dá.
Luiz Inácio, falar que o POVO BRASILEIRO NÃO TEVE INTELIGÊNCIA SUFICIENTE PARA DECIDIR A ELEIÇÃO, creia, foi a pior frase que você poderia ter dito... Posso até concordar que 48% não teve inteligência porque vive na ignorância, na mesma que você julga que o povo brasileiro tem.

Eu só espero que essa sua frase, dita num sorriso de quem já tinha bebido todas... ecoe de Norte ao Sul do País e acorde esse povo que como eu lutou muito para chegar onde está... que como eu, não agüenta mais pagar impostos para o senhor e sua corja gastarem com sabe-se lá o que.

Foi mal Luiz Inácio... muito mal mesmo!


Uma brasileira.


DRA. MARISE VALÉRIA SANTOS - CRM 77.577-SP


......................................................................
" O que me preocupa não é o grito dos sem ética, dos sem caráter, dos corruptos, dos sem vergonha. O que me preocupa é o silêncio dos bons".


Martin Luther King

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Minhas três razões para não votar em Dilma Rousseff



Não é que eu só tenha três razões. Tenho mais algumas outras. Mas vou expor as que me parecem ser de interesse mais geral.

Com base em sua carreira ou experiência política anterior, Dilma teria talvez alguns milhares de votos. Eleger-se-ia deputada federal, na melhor das hipóteses.

Em 1989, o Brasil elegeu Fernando Collor de Melo. Bem ou mal, ele tinha uma carreira política. Vinha de ser o governador de Alagoas. Mas advertências quanto ao artificialismo de sua candidatura não faltaram.

O Collor que magnetizou milhões de eleitores e liderou as pesquisas de ponta a ponta também era uma invenção. De pesquiseiros e marqueteiros, no caso . Tanto faz.

O que estou dizendo é que nada substitui o conhecimento da pessoa real. De sua personalidade . E de sua experiência. Se esse conhecimento pode ser dispensado, para que campanha eleitoral ? Para que eleições e, no limite, para que democracia ?

Entre as várias qualidades que Lula pode ter visto em Dilma, uma foi com certeza a fidelidade canina de sua então ministra. Em troca de tal fidelidade, ele a fez candidata e lhe garantiu dezenas de milhões de votos, no melhor estilo caudilhesco. Ela, em troca destas duas coisas, aceitou protagonizar a campanha presidencial menos transparente de nossa história.

A primeira é o caráter inteiramente artificial de sua candidatura. Ninguém ignora que essa Dilma que periga chegar à presidência saiu do bolso do colete de Lula. É uma invenção de Lula.

Minha segunda razão é o retrocesso institucional que vem ocorrendo à vista de todos . Toquei neste assunto dias atrás, a propósito da Receita Federal e das quebras de sigilo . Ontem eu falei sobre a Casa Civil. Vou falar de novo, porque a questão de fundo é o nível de corrupção verdadeiramente espantoso a que temos assistido na era petista .

Dilma não foi acusada diretamente pelo caso Erenice Guerra, mas alguns milhões de eleitores optaram por não lhe conceder o benefício da dúvida. Migraram para Marina Silva. Parecem ter entendido que era tudo “farinha do mesmo saco” – para lembrar uma expressão consagrada pelo próprio petismo.

É certo, Dilma não foi acusada diretamente. Mas convenhamos, Erenice esteve para ela na mesma proporção em que ela está para Lula. Assim como Lula inventou a Dilma-candidata, foi Dilma quem inventou a Erenice -ministra da Casa Civil.

Erenice Guerra tinha condições de ocupar o segundo cargo mais poderoso da República ? É evidente que não. Era difícil prever isso ?

Façamos de conta que não houve propinoduto, nenhum escândalo, nada de estranho na Casa Civil. Que Erenice está lá até hoje, lépida e fagueira. Mas não foi agora em setembro que ela aninhou uma penca de parentes em altos cargos . Foi um bom tempo atrás. Erenice trabalhou muitos anos com Dilma. Era sua mais próxima assessora . Mas do nepotismo da amiga, Dilma nada sabia .

Minha terceira razão é a ideologia petista . É bem verdade que Dilma não foi petista de primeira hora. Ao contrário, Dilma é de uma colheita relativamente tardia. Mas não sei se suas crenças anteriores eram melhores que o petismo no aspecto que desejo focalizar : o ranço totalitário.

Estamos no século 21, mas certas facções ideológicas ainda se vêem como portadoras de um plus capaz de salvar a humanidade. Julgam conhecer - só elas conhecem - o caminho real para o paraíso.

Quem se vê dessa forma salta facilmente para a crença de que os fins justificam os meios. Não há como fazer omelete sem quebrar alguns ovos. Respeitar as regras do jogo, a Constituição, a oposição, a imprensa ?

Em última análise, quem leva isso muito a sério até trai o “povo”, os “pobres” a “classe operária”, ou seja, aqueles que aguardam por nossa liderança na caminhada para o paraíso.

Eis aí o que chamo de ranço totalitário. Sei que muitos petistas já se livraram dele, mas também sei que outros tantos, para não dizer uma ampla maioria, não se livraram.

Dilma Rousseff ainda é portadora desse vírus ? Não faço a menor idéia. Temo que sim.

Mas não posso afirmar taxativamente que sim ou que não. A Dilma Rousseff que Lula inventou, que ficou perambulando por aí e tem fortes chances de se tornar chefe do Estado brasileiro – essa, pouca gente conhece. A maioria dos eleitores com certeza não conhece.

Como queria demonstrar.

por Bolívar Lamounier

REVISTA EXAME


Lula, por que não te calas?


No último dia 25 de março o presidente Lula esteve em Tatuí, e lá fez a entrega simbólica de 650 ambulâncias para 573 municípios brasileiros. A cerimônia foi essencialmente política, pois os veículos são destinados ao SAMU, ou seja, os serviços de atendimento médico de urgência.

Acontece que a maior parte dos municípios contemplados não tem este serviço implantado, e nem mesmo tem verba prevista em seus orçamentos. Custa caro montar toda esta estrutura. As ambulâncias são a parte visível do negócio, mas é necessário aparelhá-las com equipamentos de UTI, de pessoal de apoio bem treinado, de médicos especializados principalmente. E isto tem que funcionar 24 horas por dia, pois emergência não tem hora.

Ou seja, ou a maioria das ambulâncias vai ter outro destino, ou vão virar sucata logo.

Como costuma fazer, o presidente Lula faz seus ?discursos? de improviso, que sempre buscam contentar a plateia presente, e exagera nas frases feitas e cheias de pompa sobre os mais variados temas. Diga-se de passagem, normalmente o presidente não sabe nada sobre o que está falando, e suas gafes já são sobejamente conhecidas e divulgadas mundo afora. Nesta cerimônia em Tatuí, o presidente Lula foi extremamente infeliz com algumas de suas colocações.

Segundo o presidente da Associação Médica Brasileira, Lula teve ?outro rompante de incontinência verbal?. Mais uma vez, culpou os médicos para os problemas de saúde que o Brasil enfrenta há décadas. Disse que a classe médica não se interessa em atender o interior, ?pois é muito fácil ser médico na Avenida Paulista?, segundo suas palavras.

Depois, mandou um recado ao Conselho Federal de Medicina, por este ser contra a revalidação automática dos diplomas dos médicos formados em Cuba. E ainda criticou aqueles que são contra a volta de um imposto para melhorar a saúde.

E por fim, ainda criticou o médico que no passado cuidou dele próprio, ao sofrer o acidente de ?trabalho? que lhe amputou o dedo. Ou seja, versou sobre tudo o que finge saber.

Como em todos os ?discursos?, Lula fala o que lhe dá na telha, e nem se preocupa mais em ter coerência.
Deve acreditar que somos todos burros, pois quanto mais fala, mais sua popularidade ?aumenta?, segundo as informações ?oficiais?. Mas para os que ainda tem paciência de ouví-lo, basta acompanhá-lo por algumas semanas. A opinião ora é uma, ora é outra.
Depende da plateia. Como estamos numa democracia, livre ?como nunca se viu na história deste país?, também tenho o direito de opinar.

O que o senhor presidente não disse (ou não sabe) é que é impossível à imensa maioria dos médicos montar um consultório na Avenida Paulista, um dos locais mais caros do país, principalmente se trabalhar no serviço público, onde recebe um salário de fome, não tem um plano de carreira decente e não encontra condições dignas de trabalho. Aparelhos defasados, funcionários insuficientes para o apoio (enfermagem, técnicos diversos), filas para marcação de exames, falhas em tratamento de doenças básicas. Se em São Paulo , que é a locomotiva da nação, é assim, o que dizer do restante do país? Há dezenas de crianças morrendo em pseudo-UTIs em hospitais públicos por aí. A sigla deveria ser Última Tentativa Inútil e não unidade de terapia intensiva. Intensivas são só as mortes nestes nosocômios.

Não disse o presidente (ou não sabe) que médico nenhum consegue trabalhar no interior sozinho. A não ser que seja para distribuir ?vale-saúde?, a exemplo dos inúmeros outros que ele criou. Pois tratar e cuidar de alguém sem apoio, sem retaguarda e sem condições, só na cabeça dele.

Quanto aos médicos de Cuba, formados em uma realidade totalmente diferente da nossa, eles podem sim trabalhar no Brasil. Como qualquer outro, formado em qualquer lugar do mundo, que se submeta às avaliações necessárias e sejam aprovados.
Desde que saibam Medicina. E o Conselho Federal de Medicina, autarquia federal, é o órgão definido por lei para avaliá-los. O que o senhor presidente quis dizer (mas não teve coragem) é que quer fazer um agrado ao moribundo amigo Fidel, valorizando escolas falidas e que pregam uma falsa ?medicina social?.

Faltou falar sobre o assunto referente ao médico que o atendeu quando sofreu seu acidente de ?trabalho?. Talvez seu dedo pudesse ser salvo, senhor presidente, se existisse na ocasião um atendimento decente em posto de saúde, unidades de emergência bem aparelhadas, um profissional médico bem preparado, com boa formação. Isso se o ?SUS? da época funcionasse. Isso se um médico que atende ?SUS? ganhasse um honorário, e não uns trocos.

Pois a CPMF, que geraria verba destinada ao ?SUS? do seu governo, virou dinheiro nas meias, cuecas e malas pretas na sua gestão. E até hoje o ?SUS? não funciona de forma decente!

E o senhor ainda quer recriar mais um imposto, para continuar alimentando as falcatruas? Senhor presidente, com o perdão da palavra, estou com o ?saco cheio? do senhor e de seus ?discursos?.

Se o senhor sofresse um novo acidente de ?trabalho? e fosse eu o médico que lhe atendesse, cortar-lhe-ia a língua, e não o dedo.

E faria um bem ao país, pois cada vez que o senhor abre a boca, não causa um acidente. Causa um desastre.


Luiz Ricardo Menezes Bastos, médico,
presidente da Associação Paulista de Medicina, Regional de Limeira