quinta-feira, 13 de junho de 2013

O Tratamento Biomecânico da Coluna Vertebral - parte 3 - A Reeducação Postural Global (RPG)



Reeducação Postural Global (R.P.G) é uma técnica da Fisioterapia desenvolvida na França por Philippe Emmanuel Souchard a partir do trabalho de Françoise Mézières e de vários anos de estudos e pesquisas em biomecânica e física.
Consiste em ajustamentos posturais para reorganização dos segmentos do corpo humano, através do alongamento do tecido muscular retraído, a fim de permitir a reorganização das miofibrilas e o reequilíbrio dos músculos que mantêm a postura. Além disso, produz também a liberação das fáscias, tecido conjuntivo, pela aplicação do princípio de "fluagem". É um método de tratamento fisioterapêutico, utilizado em vários países por fisioterapeutas com especialização na área.

Introdução


Num esforço constante contra a gravidade, o corpo se defende para compensar deficiências de equilíbrio ou dores, além disso, o estilo de vida sedentário e estressante apresenta-se como fator agravante, desencadeando em todos os sistemas corporais um mal funcionamento e gerando tensões e retrações, tudo isso fortemente associado com alterações comportamentais e emocionais, formando assim uma estrutura complexa e inespecífica.
O homem passou, então, a assumir posturas cada vez mais prejudiciais ao corpo, como também se distanciou de si mesmo, deixando sempre para segundo plano o seu autocuidado. Com isso, observa-se um considerável aumento de várias doenças, dentre as quais as musculoesqueléticas. Entretanto, é possível resgatar o autocuidado, pois o corpo humano tem uma grande capacidade de plasticidade e reestruturação, os profissionais da fisioterapia têm buscado oferecer abordagens terapêuticas qualitativas e globalistas. 



O R.P.G trabalha com os seguintes princípios:

Globalidade: Preocupa-se com a totalidade do corpo, intervindo em todos os compartimentos corporais ao mesmo tempo e estabelecendo correlações entre os mesmos, buscando corrigir tudo que é patológico e que se afasta da fisiologia normal.
Individualidade: Analisa e trata cada indivíduo em relação a suas manifestações, que são pessoais e únicas.
Causalidade: Busca tratar, não os sintomas, mas as suas causas, no processo terapêutico.
Mediante uma avaliação qualitativa investigam-se, inicialmente, as tensões neuromusculares e as mudanças funcionais e estruturais. Em seguida, empregam-se posturas de alongamento muscular ativo e progressivo associados com a respiração e técnicas específicas, visando colocar em evidência as tensões musculares. Restabelece-se, assim, a harmonia entre os músculos e, conseqüentemente, promovendo-se um relaxamento, já que se interrompe o ciclo de desenvolvimento de tensões e dores.
O RPG traz soluções para prevenir, curar e remediar os desvios posturais, as deformidades e as disfunções causadas por eles. Procura corrigir o mal uso que os indivíduos fazem de seus músculos ossos e articulações, restituindo a boa morfologia. Como resultado, recupera a função e os movimentos corporais se tornam mais integrados, harmoniosos, perceptíveis e conscientes.


Dentre as alterações posturais que o R.P.G trata, estão as mais comuns:


ESCOLIOSE: 
Escoliose é uma curva anormal na coluna vertebral, diagnosticada através de testes clínicos e da análise de Raio-X, no qual se verifica uma curvatura da coluna vertebral em pelo menos 10 graus. O desvio tridimensional que caracteriza a escoliose significa que a coluna se torce para os lados, para frente e para trás, e em volta do seu próprio eixo.
A escoliose é uma doença que surge mais comumente nas crianças, desde o primeiro ano de vida até a adolescência. Porém, existem escolioses que surgem no adulto e no idoso. A observação da coluna vertebral da criança é importante para verificar se existe curvatura, diagnosticar a doença e iniciar o tratamento.
Cerca de 70% dos casos de escoliose não têm causa aparente, são as chamadas escolioses idiopáticas. É mais frequente nas meninas que nos meninos.
O tratamento da escoliose depende de diversos fatores, dentre eles: idade, flexibilidade e grau de angulação da escoliose.

HIPERCIFOSE:
As cifoses  são curvaturas primárias, desenvolvidas na fase embrionária do indivíduo, que podem sofrer deformações devido à má postura, gerando a hipercifose, uma patologia considerada típica da adolescência e de pessoas introspectivas. Isso ocorre porque a postura incorreta causa uma curvatura acentuada na coluna, deixando o indivíduo com os ombros projetados para frente e o dorso arredondado.
O indivíduo com hipercifose possui um arqueamento das costas, que surge gradativamente, com ou sem dor, fadiga, sensibilidade e rigidez da coluna vertebral. A hipercifose torna os músculos da região torácica fortes e curtos, o que ocasiona o surgimento da corcunda.
As causas principais são a má postura, a doença de Scheuermann, problemas neuromuscular  ou congênitos, problemas inflamatórios causados por Osteomielites, e pós traumas oriundos de fraturas e osteoporose.O diagnóstico é feito por exame clínico e confirmado através do Raio-X.


HIPERLORDOSE:
Esta alteração postural corresponde a um aumento excessivo da(s) convexidade(s) da coluna vertebral normal, fisiológica. Elas podem ser encontradas tanto nas vértebras cervicais quanto nas lombares, apresentando com isto sintomatologias diferentes.
A hiperlordose lombar é atribuída à retração de cadeias musculares importantes do nosso corpo. Estas retrações musculares podem causar ao longo dos anos alterações ósseas (osteoartroses podendo haver osteófitos, popularmente conhecidos como "bicos de papagaio"), articulares (podendo envolver a coluna, quadril, joelhos, pés...) e também a nível dos núcleos pulposos (protusões discais ou hérnias de disco). 
A má postura é um fator importante na formação da hiperlordose, já que atinge principalmente as mulheres, acostumadas ao uso do salto e a práticas físicas como o balé. As gestantes, na tentativa de compensar o peso da barriga, jogam a coluna para trás, assumindo assim uma postura incorreta, o que faz com que a lordose torne-se acentuada, uma vez que após o parto a musculatura permanece flácida e acaba por dificultar o retorno à postura correta.
Outro vilão que leva a mulher à hiperlordose é o culto ao corpo, em especial ao bumbum. Exercícios feitos inadequadamente, com o intuito de trabalhar a região glútea, sobrecarrega a musculatura lombar.

HÉRNIA DE DISCO:
A palavra hernia significa projeção ou saída através de uma fissura ou orifício, de uma estrutura contida. O disco intervertebral é a estrutura cartilaginosa que fica entre uma vértebra e outra da coluna vertebral. Ele é composto de uma parte central, chamada núcleo pulposo ou liquido viscoso, de uma parte periférica composta de tecido cartilaginoso chamado anel fibroso e de uma parte superior e inferior chamado placa terminal. Portanto, a hérnia de disco é a saída do liquido pulposo através de uma fissura do seu anel fibroso.
A extrusão do núcleo pulposo pode provocar uma compressão nas raízes nervosas correspondentes a hernia de disco ou a protrusão. Esta compressão poderá causar os mais diversos sintomas, os mais comuns são dores localizadas nas regiões onde existe a lesão discal, podendo estas dores serem irradiadas para outras partes do corpo. Quando a hérnia é na coluna cervical as dores se irradiam para os braços, mãos e dedos. Se a hérnia de disco é lombar, as dores se irradiam para as pernas e pés. O paciente pode também sentir formigamentos e dormência nos membros. Nos casos mais graves, pode haver perda de força nas pernas e incontinência urinária.


DOR CIÁTICA:
A dor ciática é uma dor persistente ao longo do nervo ciático, que se inicia na região lombar, passa pelas nádegas e vai até a parte mais baixa de uma ou duas pernas. Este é o nervo mais longo do corpo. A dor aparece quando este nervo está irritado através de uma inflamação, por uma compressão externa, pelo deslocamento do disco intervertebral, pela hérnia de disco na coluna lombar ou por uma contratura do músculo piramidal.
Os sintomas são pinçadas ou espasmos de dor na parte baixa da coluna e ao longo do nervo ciático, que percorre pela parte profunda da coxa e/ou superficial da perna indo até o pé. A dor geralmente é sentida como uma pontada ou uma queimação. Às vezes, começa gradualmente, piora durante a noite e é agravada pelos movimentos. A dor ciática também pode causar formigamento, parestesias (baixa sensibilidade) ou fraqueza nos músculos da perna afetada.

Pode ser causada por traumatismo, hérnia, ruptura ou desvio dos discos que se encontram entre as vértebras lombares L4, L5 e S1, espasmo ou fadiga do músculo piramidal.

O exame clínico é fundamental para o diagnóstico da dor ciática, pois existem testes físicos suficientes para comprovação da dor ciática.

TRATAMENTO GLOBALIZADO:
O R.P.G. trabalha no paciente através das cadeias musculares, ou seja, enxerga corpo como um todo, não trabalha estruturas isoladas. Buscamos através de uma avaliação minuciosa identificar todos os desvios posturais e as musculaturas comprometidas e assim montar um tratamento individualizado através de liberações miofasciais, alongamentos, liberações neuromusculares e posturas. A avaliação é feita toda sessão buscando assim identificar as melhoras das sessões anteriores.
Os movimentos de mobilização articular são realizados através de pequenas trações manuais e deslizamento entre as estruturas e podem diminuir a dor, o espasmo muscular e o edema, melhorando, dessa maneira, a mobilidade sem alongar os tecidos. A disfunção dos tecidos moles pode alterar o movimento articular e diminuir a eficácia da mobilização-alongamento da articulação. Esses procedimentos auxiliares podem também tornar mais fácil a realização da mobilização das articulações, produzindo um efeito mais duradouro. Elas atuam restaurando e mantendo o funcionamento normal e indolor das articulações com hipomobilidade reversível e podem retardar a hipomobilidade progressiva.
Na sequencia trabalha-se as posturas para o fortalecimento, equilíbrio e alongamento principalmente da musculatura posterior do corpo, quem tem algum tipo de lesão não pode, de forma alguma, realizar o método sem o acompanhamento de um fisioterapeuta com especialização em RPG. A partir da análise das sete zonas do corpo - cervical, ombros, dorsal, lombar, quadris, joelhos e pés - e dos sintomas relacionados pelo paciente, o profissional indica os exercícios de respiração e as posturas a serem seguidas. O tratamento se baseia em 8 posturas para cada grupo muscular. O paciente assume uma posição que deve ser mantida por um tempo pré-determinado (com treino, a pessoa se acostuma a ficar no "encaixe" certo por minutos). A postura será indicada de acordo com a patologia do indivíduo, isto é, o método é personalizado. As posturas nada mais são que movimentos lentos, graduais e progressivos que duram, em média, 20 minutos cada.
O objetivo é alongar e descomprimir o corpo, permitindo que os músculos se automatizem a ficar nas posições fisiologicamente corretas. Dessa forma podemos nos manter em posturas adequadas sem o esforço que você deve estar fazendo agora, tentando manter a postura correta. 

As Posturas são: Rã no chão (braços fechados), postura rã no chão (braços abertos),  
postura em pé conta a parede, postura em pé no centro, rã no ar (braços fechados), postura rã no ar (braços abertos), postura sentada, postura em pé inclinando para frente. 




Dra Aline Pelegatti Torin de Moraes
Fisioterapêuta
CREFITO - 132866-F